O Ministério Alemão de Assuntos Econômicos e Energia está financiando um projeto de pesquisa de três anos conduzido pelo Instituto Reiner Lemoine com foco na implementação da tecnologia blockchain no comércio de eletricidade. O projeto é intitulado BEST, uma sigla alemã para estruturas de gerenciamento e design de mercado de energia descentralizado baseado em Blockchain. Tudo começou em janeiro.

Outros participantes do consórcio incluem OLI Systems GmbH, fortiss GmbH, o Fraunhofer Institute FOKUS e utility e-regio.

A Alemanha está empenhada em buscar a transição energética para mudar o consumo de sistemas baseados em fósseis, como petróleo, gás natural e carvão, para fontes renováveis.

Com as fontes convencionais de energia, as concessionárias podem comprar e vender eletricidade no mercado e iniciar ou desligar as usinas para se ajustar à demanda. As opções renováveis ​​- seja eólica ou solar – são mais imprevisíveis e não podem se ajustar facilmente à demanda em curto prazo, o que cria um desequilíbrio maior entre a oferta e a demanda de eletricidade.

Como lidar com esse problema?

Para lidar com esse problema, a energia precisa ser comercializada da forma mais local e direta possível. O projeto BEST aborda isso desenvolvendo um sistema de provedor do mercado de eletricidade (SMBS) que apoia o comércio de eletricidade local, onde excedentes e gargalos podem se equilibrar em tempo real.

O desenvolvimento do SMBS levará em consideração questões como o mecanismo de leilão ideal e como ele se encaixa na legislação de energia atual.

O software usando tecnologia blockchain será testado virtualmente durante a fase de protótipo, seguida por uma simulação de laboratório conectando consumidores e produtores a um sistema técnico real. Se o cronograma do projeto sair de acordo com o planejado, os seis meses finais consistirão em um teste realizado em condições reais com o provedor de eletricidade e-regio, perto de Bonn.

Vantagens

A vantagem de implementar o blockchain no comércio de energia, assim como em qualquer outra aplicação da tecnologia, é que cada transação recebe uma assinatura única, que com o tempo cria um sistema descentralizado que não depende de nenhuma organização.

“Blockchain é interessante para a transição de energia porque permite que a eletricidade seja comercializada diretamente entre os sistemas de geração e consumo”, disse Norman Pieniak, gerente de projeto do BEST. “Todo o sistema de energia se beneficia dessa negociação ponto a ponto, porque pode reagir com muito mais flexibilidade às flutuações.”

À medida que mais esforços são feitos em direção à transição energética, outras soluções para lidar com o desequilíbrio entre a oferta e a demanda provavelmente surgirão. Três meses atrás, a Siemens disse que estava trabalhando com a concessionária de eletricidade alemã Allgäu Überlandwerk como parte do consórcio Pebbles para comercialização de eletricidade. E a agência federal de energia da Alemanha, DENA, está construindo um registro digital alemão para recursos de energia distribuída (DERs) com a Energy Web sem fins lucrativos da blockchain.

Compartilhe.
Avatar de Cristina Leroy Silva

Formada em letras pela UNICURITIBA, Cristina Leroy começou trabalhando na biblioteca da faculdade como uma das estagiárias sênior. Trabalhou como revisora numa grande editora em São Paulo, onde cuidava da parte de curadoria de obras que seriam traduzidas/escritas. A 4 Anos decidiu largar e se dedicar a escrever em seu blog e sites especializados